Cerca de 20 produtores rurais e profissionais das Casas de Agricultura e Secretarias de Agricultura e Meio Ambiente participaram, em 10 de outubro, do primeiro de três módulos do curso “Restauração Ecológica e Sistemas Silvipastoris”, na Fazenda Cravorana, em Piracaia (SP). A fazenda é uma das Unidades Demonstrativas do projeto Semeando Água, realizado pelo IPÊ, em parceria com a Petrobras, através do Programa Petrobras Socioambiental e Governo Federal.

O curso gratuito é uma parceria da ESCAS/IPÊ, Semeando Água e ELTI – Environmental Leadership & Training Initiative (Iniciativa de Liderança e Capacitação Ambiental), da Escola de Florestas e Estudos Ambientais da Universidade de Yale (EUA), com subsídios da Arcadia Fund.

O início

O primeiro módulo trouxe à tona três temas centrais: o cenário do Sistema Cantareira apresentado pelo coordenador do projeto Semeando Água, Alexandre Uezu; Legislação Ambiental, com a engenheira florestal consultora no Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais (IPEF), Maria José Zakia; e Restauração Florestal, com o engenheiro florestal que integra a equipe do projeto Semeando Água, Tiago Beltrame.

Uezu pontuou a preocupação com as pastagens degradadas na região que ocupam cerca de 46% da área. “Nesses locais, a água escorre superficialmente o que leva ao empobrecimento do solo. A compactação do solo dificulta a infiltração da água da chuva, o que diminui a recarga do lençol freático”.

Zezé Zakia esclareceu entre uma série de questões que Áreas de Preservação Permanente (APPs) não precisam ser intocadas, o proprietário pode desenvolver atividades que tenham práticas sustentáveis. “Nessas áreas, o produtor rural consegue implementar o manejo rotacionado, por exemplo. O que não pode, por exemplo, é continuar com a pastagem extensiva”.

Beltrame apresentou algumas estratégias que permitem diminuir os custos da restauração. “Recomendo o plantio das espécies de recobrimento e de diversidade no mesmo momento e na mesma linha. A inclusão de leguminosas entre as árvores contribui com a melhora da qualidade do solo, diminui a necessidade de manutenção e ainda é fonte de alimento e renda”. Na sequência da apresentação, os participantes realizaram plantio na propriedade.

Crédito da foto: Tiago Baccarin

Alexandre Uezu revela o cenário da região do Sistema Cantareira

Crédito da foto: Tiago Baccarin

Zezé Zakia esclarece principais dúvidas sobre legislação ambiental

Crédito da foto: Tiago Baccarin

Tiago Beltrame aborda a importância da restauração florestal e as técnicas de plantio com melhor custo X benefício

Confira os depoimentos dos participantes

Para Gabriela Mendes de Oliveira Moises, veterinária, assistente de planejamento da CATI Regional de Bragança Paulista, o formato do curso merece destaque já que apresenta alternativas para as principais questões que afligem os produtores rurais. “A dinâmica desse curso é superprática, o que permite que os produtores rurais esclareçam de fato as dúvidas sobre o que é permitido na propriedade rural. Precisamos de mais iniciativas como essa baseadas em caminhos reais para o produtor rural”.

Ingridi Natália da Silva, produtora rural em Bragança Paulista (SP), concorda. “O primeiro dia de curso foi ótimo, gostei muito e pude conhecer alternativas para implementar na minha propriedade, como por exemplo, como lidar com os eucaliptos que tenho”.

Os próximos módulos serão realizados nos dias 17 e 24 de outubro, com encontros em Joanópolis e Nazaré Paulista (São Paulo), áreas que compõem o Sistema Cantareira de abastecimento. Confira o programa completo

 

Crédito das fotos: Tiago Baccarin/ Estúdio Garagem